75% dos brasileiros não pouparam dinheiro em agosto, aponta indicador do SPC Brasil e CNDL

Apenas 19% dos entrevistados conseguiram poupar uma parcela da renda mensal

Divulgação

Divulgação Divulgação: Assessoria


O principal motivo atribuído para não poupar é a baixa renda. Metade dos que economizaram sacou ao menos parte dos recursos poupados, para pagamento de contas e dívidas Parte significativa dos brasileiros ainda não possui o hábito de poupar.
É o que revela o Indicador de Reserva Financeira, calculado pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL) que mostra que 75% dos entrevistados não conseguiram guardar recursos no mês de agosto.
O percentual revela um crescimento 3,4 pontos percentuais em relação a julho. Apenas 19% dos consumidores pouparam parte de seus ganhos. O principal motivo citado pelos entrevistados para não poupar é a baixa renda.
De acordo com a sondagem, 48% justificou dessa forma. A falta de renda, num cenário de alta do desemprego, também pesa, sendo mencionada por 16% desses entrevistados. Os imprevistos foram mencionados por 14%, enquanto a dificuldade para controlar os gastos e a falta de disciplina foram mencionados por 13%.
A pesquisa destaca ainda que nas classes A e B, a proporção de poupadores foi maior, de 38%. Já a quantidade de poupadores observada nas classes C, D e E, foi inferior aos das classes A e B, com 14%. Para a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti, as principais razões apontadas para não poupar refletem, de fato, o momento de crise econômica. "O descuido com relação aos gastos, contudo, deve ser visto com atenção", alerta a economista.

33% dos brasileiros tem o hábito de poupar quando se trata do hábito de poupar no geral, e não mais da poupança no último mês, a última sondagem constatou que 33% guardam dinheiro habitualmente, sendo que 6% reservam sempre o mesmo valor e 28% poupam o que sobra do orçamento. Os propósitos daqueles que têm o hábito de poupar são variados, sendo o principal deles, a proteção contra imprevistos, mencionada por 36%.

Em seguida, aparece a realização de sonho de consumo (25%), as viagens (24%), e a reserva para o caso de desemprego (24%). A garantia de um futuro melhor para a família foi citada por 23%.
Já a aposentadoria foi lembrada por 11%. Segundo Marcela Kawauti, mesmo que não se poupe grandes somas, o hábito de guardar dinheiro ajuda o consumidor a não extrapolar os ganhos e manter um maior controle de suas finanças. "Se o consumidor for surpreendido por alguma situação que demande dinheiro, e não dispor da quantia, poderá acabar tendo que recorrer a empréstimos e pagar juros que, em geral, são muito elevados. Além disso, é sempre muito inconveniente ter que buscar recursos numa hora ruim. Daí a importância de estar minimamente preparado para fazer frente a esses eventos", diz.
Metade dos que economizaram sacou ao menos parte dos recursos poupados, para pagamento de contas e dívidas
O levantamento revelou ainda que metade (51%) dos brasileiros que constituem reserva financeira disseram que precisaram fazer uso de ao menos parte dos recursos em julho ? em junho, 45% tiveram que utilizar seus recursos. O destino dessa quantia, para 13%, foi o pagamento de contas da casa e para 11%, o pagamento de dívidas. Além desses, 9% mencionam despesas extras e, outros 9%, mencionam os imprevistos.
Esse último caso exemplifica e importância da reserva, cuja finalidade, entre outras, é proteger o consumidor contra esse tipo de situação.
Na falta desses recursos, os que sacaram das reservas para fazer frente a imprevistos teriam que recorrer ao crédito, em condições normalmente não vantajosas. 61% dos poupadores utilizam a conta poupança Os números mostram ainda que o perfil dos brasileiros é mesmo mais conservador quando o assunto é investimento. Para 61% dos poupadores habituais, a tradicional Conta Poupança é o destino mais costumeiro das reservas. O hábito de guardar dinheiro em casa aparece em segundo lugar, citada por 19%.
Em seguida, aparecem os fundos de investimentos (8%), a Previdência Privada (6%); os CDBs (5%); e os papeis do Tesouro Direto (4%). Entre aqueles que conseguiram guardar dinheiro em agosto, e que sabem o valor guardado, foram poupados R$ 525, em média.
"É importante que o consumidor esteja sempre acompanhando seus investimentos, de forma a garantir que seus ganhos sejam os maiores possíveis. Assim, estudar novas opções e sempre avaliar as diferentes possibilidades de destino da poupança é uma forma inteligente de conseguir otimizar os rendimentos", recomenda o educador financeiro do SPC Brasil e do portal Meu Bolso Feliz, José Vignoli.

Os poupadores de recursos que optam por deixá-los em casa elencaram suas razões. A questão da liquidez, isto é, facilidade para dispor do dinheiro quando precisar, pesa nessa decisão, sendo mencionada por 43%. Também se destacam a percepção de que não vale a pena deixar pouco dinheiro em banco (31%), a desconfiança com as instituições financeiras (22%); a insegurança com relação aos bancos (22%) e o medo de um novo confisco da poupança (22%).

Metodologia

A pesquisa abrangeu 12 capitais das cinco regiões brasileira, a saber: São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Porto Alegre, Curitiba, Recife, Salvador, Fortaleza, Brasília, Goiânia, Manaus e Belém. Juntas, essas cidades somam aproximadamente 80% da população residente nas capitais.
A amostra, de 800 casos, foi composta por pessoas com idade superior ou igual a 18 anos, de ambos os sexos e de todas as classes sociais. Os dados foram coletados via web e presencialmente entre os dias 1 a 14 de agosto de 2017. A margem de erro é de 3,5 pontos percentuais.

Baixe a íntegra do indicador em https://www.spcbrasil.org.br/pesquisas/indices-economicos

Informações à Imprensa:
Renan Miret
(11) 3254 8810 | (11) 9 9136 3355
renan.miret@inpresspni.com.br

Vinicius Bruno
(11) 3251 2035 | (11) 9 7142 0742
vinicius.bruno@spcbrasil.org.br

 

Fonte: In Press Porter Novelli



divulgação - Isto é Dinheiro
A força da cor nos negócios

Conheça a Feira Preta, o maior evento de empreendedorismo negro da América Latina

leia mais


Divulgação
Com mais de 30 empresas compradoras convidadas Speed Meeting desembarca em Curitiba dia 24 de outubro

Networking e oportunidades de negócios

leia mais


Divulgação
Um pouco mais fundo, millennials

Num mundo repleto de tribos, é difícil estabelecer clusters com precisão

leia mais


Divulgação
Futurecom 2017 revela tendências da nova era das comunicações

Influência da tecnologia na qualidade de vida da população será um dos temas tratados na Cerimônia Solene de Abertura

leia mais


Assessoria
ABAV reuniu seu Conselho Nacional em Assembleia Geral Ordinária com a presença dos 27 presidentes das ABAVs estaduais e seus conselheiros

Encontro apresentou atualizações das ações administrativas e estratégicas da gestão de Edmar Bull

leia mais


Divulgação
75% dos brasileiros não pouparam dinheiro em agosto, aponta indicador do SPC Brasil e CNDL

Apenas 19% dos entrevistados conseguiram poupar uma parcela da renda mensal

leia mais


Divulgação: Assessoria
Speed Meeting - sucesso em Campinas, Rio de Janeiro e São Paulo, chega à Curitiba em Outubro

O evento chega a Curitiba no dia 24 de outubro

leia mais


Divulgação: Assessoria
Segunda edição do Rock in Rio Academy

Com a participação de diretores do festival, a escola do rock promoverá uma imersão do conceito à prática, viabilizando vivência dos executivos

leia mais


17ª edição da Revista Evento Business Show destaca Feira EBS e o uso de tecnologia no mercado de eventos

A nova edição da Revista EBS traz a cobertura completa da Feira EBS 2017, a principal feira do segmento MICE e EXPERIENCE

leia mais


Divulgação
Levantamento realizado no país aponta que os profissionais de marketing digital são otimistas, mas com ressalvas

Mais de 700 profissionais de marketing de todo o Brasil participaram de uma pesquisa sobre o futuro do Marketing Digital

leia mais



1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10 | 11 | 12 | 13 | 14 | 15 | 16 | 17 | 18 | 19 | 20 | 21 | 22 | 23 | 24 | 25 | 26 | 27 | 28 | 29 | 30 | 31 | próxima